Aguarde, carregando vaga

Bitcoin ainda pode cair para US$ 19.666 com pressão dos reguladores no Fórum Econômico Mundial

Publicidade

[ad_1]

Publicidade

O mês de maio não tem sido nada favorável ao Bitcoin (BTC) que viu seu valor cair para a menor marca no ano batendo em US$ 25 mil. Contudo, para quem espera que a última semana do mês traga um pouco de alívio as análises não são muito positivas.

Paul Robinson, estrategista do DailyFX, destaca que no geral, a perspectiva para o BTC/USD tem sido de baixa e, com os ativos de risco em geral caindo, parece provável que as criptomoedas continuarem a ser atacadas.

Ele aponta que a venda residual e a falta de interesse de compra fazem com que os preços deflacionem a uma taxa persistente, mas o último comportamento não é esperado até que mais dor seja experimentada.

“Uma quebra abaixo de US$ 28.600 terá o ciclo baixo em US$ 25.401 em foco. Um colapso abaixo desse ponto é visto como tendo a alta de 2017 em jogo em US$ 19.666. Este seria outro ponto significativo para assistir ao BTC tentar manter. Ele pode se manter inicialmente, mas mais desvantagens a partir daí são antecipadas à medida que a venda passa de agressiva para uma longa e lenta deriva”, disse.

A Passfolio também destaca que o analista do Cointelegraph William Subberg aponta que os principais fatores que afetam o preço dos criptoativos no curto prazo serão a Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) e o primeiro ajuste de dificuldade para baixo desde julho passado.

“Segundo ele, a reunião do WEF tende a ser estressante [para o bitcoin], já que a indústria tenta avaliar o sentimento entre os pesos pesados ​​das finanças tradicionais. O ajuste de dificuldade é consequência da saída dos mineradores da rede – o custo para minerar um bitcoin é de cerca de US$ 26.250, de acordo com a MacroMicro. Se o preço cair abaixo desse nível, causaria mudanças maiores nos fundamentos da rede”, aponta a empresa.

Investidores institucionais não abandonaram o barco

Publicidade

No entanto a Passfolio aponta que apesar do recente mercado em baixa, investidores e consultores estão buscando fundos com bitcoin. Eles também estão rastreando gestores de fundos de criptomoedas, provavelmente para monitorar como esses profissionais estão se posicionando agora.

“Esta descoberta vem de Vinay Nair, CEO da Magnify, uma plataforma digital para pesquisar opções de investimento, que compartilhou suas opiniões sobre o programa ‘Squawk BoxBox’ da CNBC. Isso significa que, mesmo quando o Crypto Fear & Greed Index atingiu 8 em 17 de maio, seu nível mais baixo em mais de 2 anos, os investidores ainda estão procurando maneiras de diversificar em criptomoedas”, destaca.

A empresa aponta também que 21Shares, a maior emissora de produtos negociados em bolsa (ETPs) do mundo, lançou o Crypto Basket 10 Index Fund e o Crypto Mid-Cap Index Fund, que estarão disponíveis para investidores credenciados dos EUA. 

O Crypto Basket 10 acompanha o preço das 10 principais criptomoedas, enquanto o Crypto Mid-Cap oferecerá exposição às próximas oito criptomoedas com o maior valor de mercado atualmente, desconsiderando bitcoin e ether. A 21Shares gerencia mais de 30 ETPs globalmente, incluindo ETFs de bitcoin e ethereum lançados há duas semanas na Austrália. 

A empresa também estabelecerá uma posição no Oriente Médio no próximo mês, em Dubai. No entanto, seu pedido de um ETF de bitcoin spot nos EUA, que foi arquivado na ARK Investment Management, foi rejeitado pela SEC em abril.

“Perguntam-me muito por que um ETF de bitcoin é tão importante. Afinal, qualquer investidor pode abrir uma conta em uma exchange de criptomoedas e comprar algum bitcoin diretamente. No entanto, muitos deles têm medo de hacks. Eles também não querem o incômodo de custodiar seus próprios ativos e se preocupar com senhas e chaves privadas. Além disso, eles querem seus investimentos centralizados em um único local, para facilitar a declaração de impostos. Portanto, um ETF de criptomoedas atrairá um grande número de pessoas que não investem nelas, mas estão dispostas a fazê-lo se for fácil de fazer pelos locais que já usam”, diz David Gobaud, fundador e CEO da Passfolio.

Em 16 de maio, a Grayscale anunciou o lançamento de seu primeiro ETF europeu, o Grayscale Future of Finance UCITS ETF (GFOF), que será listado em Frankfurt, Londres e Milão.

De acordo com o anúncio, o GFOF “fornecerá exposição a empresas na interseção de finanças, ativos digitais e tecnologia”. Isso significa exposição potencial a exchanges, hardware, blockchain ou mineradores.

LEIA MAIS

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!



[ad_2]

Publicidade