Aviões executivos farão ponte aérea Rio – SP

Publicidade

A ponte aérea entre o Rio de Janeiro e São Paulo movimenta milhões de passageiros todos os anos e figura entre as rotas mais movimentadas do mundo. Atualmente, ela é operada pelas três grandes empresas aéreas brasileiras (Azul, Gol e Latam) e tem um perfil exigente de clientes.

Com tantos viajantes a negócios, a empresa Flapper tem dado ao trecho uma abordagem diferente. A iniciativa da empresa, especialista em compartilhamentos de voo, é aumentar o acesso à aviação executiva.

Por conta disso, a escolha da ponte aérea Rio-São Paulo para seu novo projeto foi um caminho natural, e o potencial aumenta num momento em que voar num avião de carreira pode custar até mais de R$ 1.000 na rota de apenas 45 minutos, conforme pesquisa feita pelo Aeroin para voos em maio e junho, dependendo da data.

Publicidade

Assim, viajantes dispostos a pagar um pouco a mais, cerca de R$ 1.500, podem aproveitar para embarcar num avião particular oferecido pela Flapper.

Os voos são realizados todas as segundas e sextas-feiras, em uma aeronave turbo-hélice, Pilatus PC-12 com capacidade para até oito passageiros, e liga Congonhas a Jacarepaguá. A empresa argumenta que os voos de turboélice em rotas curtas são mais rápidos e econômicos do que os realizados em jatinhos.

Publicidade

Paul Malicki, executivo da Flapper, diz: “O presente lançamento é mero resultado do que aprendemos durante o período pré-pandemia. Um voo operado por um turbo-hélice leva apenas 50 minutos, pois evitamos corredores aéreos mais congestionados”.

Em conversa com o Aeroin, Malicki afirmou que outro diferencial é que o passageiro não precisa chegar uma hora antes no aeroporto, e não enfrenta filas. “Uma grande vantagem é que o cliente entra pelo hangar executivo e sai também pelo terminal VIP”, diz.

“Isso significa que os passageiros podem chegar literalmente 15 minutos antes do embarque. Quando fazemos pesquisas com nossos clientes fica claro que a principal vantagem que nossa ponte aérea executiva traz para eles é a economia de tempo”, concluiu o executivo.

Os voos já estão sendo comercializados no site da Flapper, e vão ganhar mais aeronaves em semanas “especiais” como as de feriados e festivais, a exemplo do Rock In Rio, que ocorrerá no terceiro trimestre. Outras cidades estão sendo analisadas para receber as rotas fixas no futuro.

Publicidade